logo

Lousitânea

Entrudo Tradicional das Aldeias do Xisto

Nestas aldeias o Entrudo vivia-se de forma simples. Procuravam-se roupa e objetos velhos, algo que ocultasse o rosto e de seguida brincava-se…

No Entrudo eram realizadas “corridas” às aldeias vizinhas, onde tudo era permitido, nomeadamente, declamar quadras jocosas sobre esses habitantes, registadas durante o ano.

Para se manter a tradição a Lousitânea tem procurado manter rigor no grupo de pessoas que fazem parte desta corrida com o intuito de manter a tradição e para que esta não caía em algo que nada tenha a ver como as nossas tradições, com a nossa raiz cultural.

Para isso foi criado uma pequena lista de recomendações para a participação na folia de modo se mantenha a tradição, visto que o grupo tem vindo a crescer e gostaríamos muito de poder contar contigo para fazeres parte dele.

Assim, por base nos registos orais da população local concluímos que para “Correr o entrudo” é necessário rigor no modo de participar e para fazer parte do grupo de foliões.

As máscaras

- As máscaras serão sempre em cortiça figurando faces feias e diabólicas. Sejam de forma mais simples encontradas na extracção da cortiça do sobreiro ou no aproveitamento de velhos cortiços das abelhas.

- As máscaras poderão ser adornadas por vários elementos como sejam, por exemplo, cornos de cabras, barba de milho, lã de ovelha, hastes de veados, dentes de javali, e algumas pinturas mais discretas.

- Depois de colocar a máscara assegurar que o resto da face ficará oculta com outro tipo de acessórios como: lenços, xailes ou trapos velhos. No caso de mascaras feitas do aproveitamento dos velhos cortiços das abelhas já não será tão necessário.

- Deverão as máscaras ter algum conforto para quem as utiliza, no sentido de facilitar a sua utilização durante algum tempo, como uma boa abertura para a visão, facilidade em respirar e protegida do seu contacto com a pele.

- Para uma boa fixação ao rosto será necessário o uso de bons elásticos nas máscaras.

- A criatividade da máscara pode e deve individualizar a personagem, quanto mais trabalhada mais eficaz.

As roupas/vestes

- Durante muito tempo apenas participavam nesta folia homens e rapazes, mas com o avançado despovoamento das aldeias estas “corridas”, começaram a ter também a participação das raparigas e mulheres, de forma a manter o número de participantes e não deixar morrer a tradição.

- Para que ninguém seja reconhecido do seu “mal dizer” e “mal fazer” trocam-se as roupas, os homens vestem-se com as roupas das mulheres e as mulheres vestem-se com roupas de homem.

- Para esta tradição eram usadas roupas velhas, daquelas bem guardadas bem no fundo das arcas, sendo algumas vestidas do avesso e também são trocadas na sua ordem (roupas de interior por fora!)

- As roupas serão sempre as mais antigas que se encontrar nos armários e arcas, como fatos, vestidos, lenços, xailes, sapatos, botas, luvas, etc.

- Uma das maneiras de ser identificado se é homem ou mulher tem a ver com a forma do corpo e a forma de andar, para isso poderão deformar a figura do corpo com enchimentos dentro das roupas (os homens podem sempre criar um bom par de seios!)

- As mãos deverão sempre usar luvas, as pernas devem estar cobertas com meias, collants ou até ceroilas e os braços tapados com as mangas das vestes.

- Os foliões mascarados não podem transportar máquinas fotográficas ou qualquer outro aparelho electrónico, ao longo da corrida. De igual modo, os fotógrafos não poderão misturar-se com os foliões.

Adornos

Deverão usar acessórios que façam barulho como sejam, por exemplo, chocalhos, campainhas, guizos entre outros. Usar na mão uma bengala, cajados, um velho guarda-chuva entre outros.

Alguns dos velhos instrumentos usados nos bailaricos e que já estejam desafinados, como uma concertina, um bombo, uma caixa, um reco-reco, entre outros.

Alguns dos elementos podem usar grandes e velhos funis de metal (que eram usados nos lagares e nas adegas) para cantar algumas “Quadras Jocosas”. Nos bolsos podem transportar “ bugalhos de carvalhos” para atirar às pessoas.

Veja o vídeo da Corrida do Entrudo nas Aldeias do Xisto de Góis aqui